Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Hipólito e Julieta

por Maria Alfacinha, em 16.04.13

 

Tinha acabado de descer do autocarro quando te vi parada no meio do passeio a acenar-me.
- Estavas à minha espera? - brinquei, enquanto te abraçava.
- Vi-te passar e resolvi esperar aqui.
Ajeitaste a mala no ombro e encaixaste o teu braço no meu: 
Era o mínimo já que te fiz levantar tão cedo ao fim-de-semana.
Ri-me:
Sim, ó tu! Então onde é que vamos?
- Comer os melhores folhados de salsicha da tua vida
. - respondeste com ar trocista - É já aqui.
- E tinha que ser ao fim-de-semana?

Sorriste: É a melhor altura para ver os… locais. Sábado é o dia mais calmo da semana.

- Bem me parecia que não me trazias aqui só pelos folhados
- disse aproximando-me de uma mesa
- Não! Aí não! É a mesa do Sr. Hipólito.
- Do senhor….?

- Já vais perceber. Bom dia Sr. João
- cumprimentaste

- Ora viva! Já há muito tempo que não aparecia por cá.

- Venho matar saudades
- respondeste e inclinando a cabeça na minha direcção acrescentaste: E trazer-lhe clientes

- E faz muito bem. Sentem-se onde quiserem que a Emília já lá vai atender.

- Vamos para o canto onde podemos ver a sala toda
- sussurraste indicando uma mesa.
Sentámo-nos. Uma rapariga nova aproximou-se sorrindo com um prato onde fumegavam os famosos folhados e pedimos os cafés.

- Prova! Cuidado que estão quentes. São ou não são deliciosos?

- São simplesmente perfeitos!
– disse eu quando consegui falar – Tinhas razão.
Uma idosa apoiada na bengala entrava no café e sentou-se numa mesa a meio da sala, cumprimentando toda a gente.

- É a D. Julieta. Deve ser uma das moradoras mais antigas aqui da rua. Toma sempre o mesmo pequeno almoço: um galão e um pacote pequeno de bolachas. Molha as bolachas uma a uma no galão antes de as comer. Diz que é por causa dos dentes que já não tem mas quando os tinha fazia a mesma coisa.
- Conheces a D.Julieta?

Olhaste-me surpresa: Toda a gente conhece a D.Julieta. Foi ela que iniciou quase todos os rapazes do bairro.

- Iniciou?

Soltaste uma gargalhada: Sim. A D.Julieta foi durante muitos e muitos anos uma empenhada fornecedora de serviços sexuais. Seguiu as pisadas da mãe. Ninguém diria, pois não? E acredites ou não é das pessoas mais respeitadas aqui no bairro.
Os meus olhos foram atraídos para uma figura magra que acabara de se sentar.
- O Sr. Hipólito, presumo? - perguntei
Assentiste com um sorriso: O Sr. Hipólito, claro! Não te disse que era a mesa dele?
Observei-o disfarçadamente: Parece que veio de um funeral.
- E parece-te muito bem porque o Sr. Hipólito é… cangalheiro!
- replicaste rindo - É o dono da funerária no quarteirão ao lado. Queres que te diga o que vai comer? Repara na loiça que a Emília lhe pôs na mesa.

- Sopa?

Riste-te: Papa! A Emília vai trazer a caixa da papa, um copo com leite quente e um café. Ele faz a papa com metade do leite e junta o café ao resto do leite. E come sempre da mesma maneira: duas colheres de papa seguido de um gole no café com leite.
Suspiraste.

- Há anos que estas duas alminhas tomam o pequeno almoço aqui. Nunca os vi falarem um com o outro, sabias? Bom dia, até logo, um aceno com a cabeça mas nada mais. Todos os dias, à mesma hora, sentam-se em mesas vizinhas, comem sempre a mesma coisa, falam até com outras pessoas, mas nunca os vi trocar uma palavra ou um olhar. Diz-se que quando eram adolescentes estiveram apaixonados e tentaram fugir para casar. Iam para França onde a D.Julieta tinha uma prima. O Hipólito pai apanhou-os em Santa Apolónia e estragou-lhes os planos. Não faltava mais nada, o filho de um comerciante bem sucedido casar com a filha da rameira.
- E depois?
- Depois… nada. Nenhum deles fez frente aos progenitores. O Sr. Hipólito tomou conta do negocio do pai e a D.Julieta…

- Tomou conta do negocio da mãe -
concluí
Assentiste com a cabeça sorrindo.

- Nunca deixaram o bairro. Ele podia ter vendido a funerária, ela podia ter partido mas optaram por ficar aqui. Nunca casaram, não tiveram filhos, vivem nas mesmas casas onde nasceram e segundo sei nunca estiveram fora mais do um dia ou dois. E todas as manhãs tomam o pequeno almoço juntos.
A mulher da Vida e o homem da Morte, lado a lado num café de bairro. Uma triste mas bonita história de amor.
- História de amor? Achas?
- Para o saber de certeza teria que lhes perguntar, mas estou convencida que esta história de amor já estava escrita muito antes deles nascerem. Até tu concordarias se soubesses tanto como eu.
- E o que é que eu ainda não sei?

O teu olhar iluminou-se triunfante. Debruçaste-te sobre a mesa e a tua voz soou doce como um beijo.
- Que o primeiro nome do Sr. Hipólito é... Romeu.

E eu sorri e acreditei em ti.

tema semanal: conversas de café

Autoria e outros dados (tags, etc)

servido às 23:56





Pesquisa

Pesquisar no Blog  




As imagens deste blog foram retiradas da internet porém se alguém desejar reclamar os direitos autorais de alguma por favor envie-nos uma mensagem que imediatamente providenciaremos a remoção da mesma


Arquivos